[Artigo] Quarentena, idosos e exercício físico.

[Artigo] Quarentena, idosos e exercício físico.

Tempo de leitura: 6 minutos

A prática de exercícios físicos tem sido fortemente recomendada há anos para os idosos, pois benefícios de ordem física, metabólica, mental e social são amplamente mostrados na literatura científica.

A chegada do COVID-19 trouxe muitas preocupações e complicações para esse grupo, pois são muito vulneráveis aos efeitos danosos do vírus, podendo ser fatal em até 15% dos casos.¹

Como forma de diminuir a transmissão do vírus, autoridades em saúde do mundo todo recomendaram que toda a população (com exceção dos que atuam nos serviços essenciais) entrassem em quarentena, ou seja, permanecessem em casa, saindo apenas em caso de extrema necessidade, principalmente os idosos. Além disso, espaços de convivência, parques, clubes e academias foram fechados para evitar aglomerações.

Esse distanciamento físico, que inicialmente parecia tranquilo, ao avançar dos dias, está trazendo consequências negativas na vida dos idosos, como isolamento social, solidão e deterioração da saúde física e mental.²

Além disso, a ansiedade provocada por esse momento estimula uma alimentação inadequada, geralmente como forma de recompensa, com doces e guloseimas, prejudicando ainda mais aqueles que sofrem com doenças metabólicas como diabetes, hipertensão e dislipidemias.

Participar de programas de exercício online pode ser uma saída para esse momento, mas tem suas barreiras. A primeira delas é a da tecnologia, pois muitos idosos não tem acesso à internet ou não dominam as tecnologias usadas para as aulas. Outra barreira importante é a capacidade física. Geralmente as aulas transmitidas por “Lives” são preparadas para atingir um público grande e genérico, e os exercícios ofertados nem sempre são indicados para quem tem problemas de saúde, sejam eles de ordem ortopédicos ou metabólicos. Dessa forma, o que já não estava bom pode piorar, deixando a pessoa com a coluna “travada” ou o joelho inchado e dolorido por exemplo.

Contudo, algo tem que ser feito, mesmo que em pequenas doses e tomando-se os cuidados necessários. Por isso, deixo abaixo algumas recomendações para pessoas que precisam fazer exercício, mas tem algum problema que mereça atenção especial. Saiba que são recomendações gerais, pois não tenho a intenção de ser específico neste artigo.

Recomendações Gerais:

1) Evite ficar sentado(a) por muito tempo – Organize seu dia pra que você passe menos tempo sentado(a) e aproveite pra cuidar da sua casa, horta, animal de estimação, etc. Quando estiver fazendo alguma atividade sentado(a), lembre-se de levantar e caminhar um pouco a cada hora. Use a regra dos 10% – Para cada hora (60 minutos) sentado, fique 6 minutos em pé.

2) Ao fazer exercícios, comece devagar e com sessões mais curtas, evite exercícios em posturas que possam te deixar dolorido(a); Se você tem problemas nos joelhos, cuidado com agachamentos, evite flexões excessivas. Se você tem problemas nos ombros, cuidado com exercícios que elevem as mãos acima do nível da cabeça; evolua gradativamente;

3) Utilize recursos caseiros. Você pode usar garrafa de água ou saco de feijão como se fossem os pesos da academia;

4) Utilize recursos tecnológicos gratuitos. No Youtube você encontra muitas aulas grátis. Pra conversar com as pessoas você pode utilizar o Whatsapp, Skype, Zoom, Duo ou outros. (Observe que eu adicionei um link nos nomes citados. Clique para baixar ou abrir em seu dispositivo);

5) Ouça música! Pesquisas mostram que a música é um excelente recurso pra nos deixar mais felizes e otimistas. Atualmente alguns aplicativos permitem que você pesquise pela música preferida, pelo(a) cantor(a) ou pela banda. Os mais conhecidos são o Deezer e o Spotify. Eles têm versões grátis e pagas. Vale muito a pena.

6) Dance! Dançar, além de ser um excelente exercício, também faz bem pra cabeça. Aproveite que você descobriu os aplicativos de música, aumente o som e dance. Se você puder, compre uma caixinha de som que se conecte ao celular por Bluetooth, tenho certeza que você vai adorar. Se tiver dúvida, vá até o Youtube ou o Google faça uma pesquisa sobre as caixinhas de som e também sobre como conectá-la ao seu celular.

7) Caminhe mais, mesmo que seja dentro de casa. Se você tiver espaço na sua casa, faça uma caminhada. O tempo recomendado é 30 minutos por dia, mas você pode fracionar em 2x 15 minutos ou 3x 10 minutos.

8) Treine seu equilíbrio. Se posicione perto de uma parede e se equilibre num pé só. Quando ficar fácil, evolua, olhe para cima ou feche os olhos para aumentar a dificuldade. Marche no lugar, eleve bem seus joelhos. Manter um bom nível de equilíbrio é muito importante na prevenção de quedas e na manutenção da independência.

9) Converse com um profissional da saúde da sua confiança. Se você frequentava academia, parque ou clube antes da pandemia, tente entrar em contato com o(a) professor(a) para tirar suas dúvidas. Se esse não é seu caso, ou se você não tem o telefone dele(a), nas redes sociais (Facebook, Instagram e Youtube) você encontra vários profissionais dando dicas grátis. Veja um pouco do trabalho do(a) profissional, se você gostar, entre em contato, mande uma mensagem, não tenha vergonha. Se ele(a) está ali dando dicas grátis é porque gosta do que está fazendo e ficará feliz com sua mensagem/dúvida. (Nossas redes sociais estão no final deste artigo – confira lá).

10) Diminua um pouco a audiência de jornais televisivos. Eles mostram muita tragédia e acabam nos desanimando. Assista mais filmes, séries e documentários. Veja programas de comédia. Aproveite pra fazer um curso de algo que você gosta. Na internet você encontra vários cursos gratuitos e outros tantos com valores bem acessíveis. Entre na página do Google e digite seu assunto preferido. Pra se informar sobre o Covid-19, sugiro você baixar em seu celular o aplicativo oficial do SUS. Ele é gratuito e muito legal. Vou deixar abaixo os links pra você ir direto até sua loja de aplicativos. Clique abaixo:

Coronavírus SUS (Apple Store)

Coronavírus SUS (Play Store)

Se você quiser saber mais estatísticas sobre o impacto da Covid-19 no Brasil, recomento o site referenciado logo abaixo ³, criado por brasileiros que são pesquisadores no Laboratório de Estudos Espaciais do Centro de Pesquisas Computacionais da Rice University em Houston (Texas).

Fontes:

1 – Morley, John E., and B. Vellas. “COVID-19 and Older Adults.” J Nutr Health Aging 24.4 (2020): 364-365.

2 – Exercise Right – Disponível em < https://exerciseright.com.au/why-exercise-is-important-for-older-people-now-more-than-ever/ > acesso em 14/05/2020;

3 – Coronavírus no Brasil – disponível em < https://coronavirusnobrasil.org/ > acesso em 14/05/2020;

Se você gostou desse artigo compartilhe com seus amigos. Caso tenha ficado com alguma dúvida, deixe um comentário abaixo. Cadastre seu e-mail e receba todas as novidades!

Veja também o artigo “Envelhecimento bem sucedido”.

Ps.: Esse artigo contou com o apoio de pesquisa do biólogo Victor Fornasiero de Paiva, formado pela USP e atualmente analista de dados de Big Data e inteligência artificial na área da saúde. Nosso agradecimento especial.

Grande abraço,

Helio M. Gerth
H.C.Saúde

4 Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *